quinta-feira, 12 de julho de 2012

Conde Vlad Dracula

Vlad Dracula ou Vlad O Empalador foi um príncipe vivo e real no qual Bram Stoker baseou o famoso "Conde Drácula". Dracula nasceu em 8 de novembro de 1431 na cidade de Sighisoara. 

Seu pai, Vlad Dracul (Vlad O Demônio) foi um membro da Ordem do Dragão, o que significava um pacto de luta eterna contra os turcos. O nome Dracul significa Dragão ou Demônio, e se tornou o símbolo de seu pai porque ele usava o símbolo do dragão em suas moedas. 

Vlad e o seu irmão mais novo Radu foram reféns do Império Otomano em 1442, como garantia a lealdade do pai. Este e o irmão mais velho de Vlad, Mircea, foram assassinados na sequência da invasão da Valáquia em 1447 por João Corvino, regente-governador da Hungria. Corvino nomeou como novo voivoda da Valáquia o primo em segundo grau de Vlad, Ladislau II.

Mas foi sob o seu reinado em Wallachia, de 1456 à 1462 que ele realmente teve a chance de usar de seus conhecimentos. Foi também nessa época que aconteceram a maioria das histórias.

O outro nome de Dracula, Tsepesh (ou Tepes), significa empalador. Vlad era chamado assim por causa de sua propensão para o empalamento como uma forma de punição para seus inimigos. Empalamento era uma forma particularmente medonha de execução. 

Entenda a sua ideologia:
Um dia Dracula viu um homem com uma camisa suja e maltrapilha. Dracula perguntou se o homem tinha uma esposa, e o homem respondeu que sim.

Dracula vê que ela é uma mulher saldável e cheia de fibra, e a chama de preguiçosa, de forma que tem ambas as mão decepadas e seu corpo empalado. Ele procurou uma nova esposa para o homem e mostrou a ela o que acontecera com sua preguiçosa predecessora como uma forma de aviso. A nova mulher definitivamente não era preguiçosa.

As suas vítimas eram postas em um cavalo e empurrada em direção a estacas polidas e untadas em óleo, de forma a não causar a morte imediata. Esposas infiéis e mulheres promísqüas foram punidas por Dracula, tendo seus órgãos sexuais cortados, a pele arrancada enquanto vivas e expondo-as em público, com suas peles penduradas próximas à seus corpos.

Drácula apreciava especialmente execução em massa, onde várias vítimas eram empaladas de uma vez, e as estacas içadas. Como as vítimas se mantinham suspensas do chão, o peso de seus corpos fazia com que descessem vagarosamente pela estaca, tendo sua base lisa arrombando seus orgãos internos. Para melhor apreciar o espetáculo, Dracula rotineiramente ordenava um banquete em frente às suas vítimas, e era um prazer para ele entre os lamentáveis sinais e ruídos de suas vítimas morrendo.


Casa onde nasceu Vlad, em Sighișoara, atualmente uma atração turística
Vlad Tsepesh aka Dracula morreu em 14 de dezembro de 1476. Algumas fontes indicam que ele foi assassinado por burgueses valáquios desleais quando ele estava prestes a varrer os Turcos do campo de batalha. 

Outras fontes dizem que Dracul caiu vencido rodeado pelos corpos dos leais guarda-costas (as tropas cedidas pelo Príncipe Stefan da Moldávia permaneceram com Draculea mesmo após István Báthory ter voltado à Transilvânia). Outra versão é a de que Drácula foi morto acidentalmente por um de seus próprios homens no momento da vitória.

corpo de Draculea foi decapitado pelos Turcos e sua cabeça enviada à Constantinopla, onde o sultão a manteve em exposição em uma estaca por alguns anos. Mas dizem que sua filha Mhnea teve dois filhos em Bucareste e seus filhos tiveram outros filhos, então por incrível que pareça, existem descendentes de Vlad Țepeș.

A tumba de Dracula fora aberta em 1931 mas ela estava vazia a não ser por um deteriorado esqueleto, uma coroa de ouro, uma gargantilha com a idéia de uma serpente e fragmentos de um traje em seda vermelha, com um sino costurado nela. Infelizmente todas essas coisas foram roubadas do History Museum of Bucharest (Museu Histórico de Bucharest), onde foram depositadas.

"Castelo do Drácula".
O Castelo de Bran, localizado próximo de Bran, é um monumento nacional e marco histórico da Roménia. A fortaleza situa-se na fronteira entre a Transilvânia e a Valáquia, pela estrada 73, encravado na floresta no sopé dos Cárpatos. 
Castelo de Bran, Roménia: vista panorâmica.
Conhecido habitualmente como o "Castelo do Drácula", é promovido como a residência da personagem que dá título ao Drácula de Bram Stoker, obra que conduziu à persistência do mito de que este castelo terá servido, em tempos, de residência ao Príncipe Vlad Tepes, governador da Valáquia.
Atualmente, o castelo alberga um museu aberto ao público, exibindo peças de arte e mobiliário colecionados pela Rainha Maria. Os turistas podem ver o interior em visitas livres ou guiadas. 
Ao fundo da colina situa-se um pequeno parque museu ao ar livre, o qual exibe estruturas camponesas tradicionais da Roménia, como cabanas e celeiros, representando todo o país.
Castelo de Bran, Roménia: vista geral.
Em 2009, passou a ser propriedade dos herdeiros da casa real do país, Dominc, Maria Magdalena e Elisabeth.
Em 2014, foi posto o castelo-fortaleza à venda por 58 milhões de euros. Que ainda está disponivel em 2019.
Castelo de Bran, Roménia: vista interior do palácio.
Castelo de Bran, Roménia: vista dos muros.

Nenhum comentário:

Postagens mais acessadas