Pular para o conteúdo principal

A verdade sobre "A Bruxa de Blair"

A Cidade de Blair é fundada,em fevereiro de 1785, ela é uma antiga cidade mineira, atualmente uma "cidade fantasma", no condado de Esmeralda, estado de Nevada, nos Estados Unidos.

Entenda o caso:
Diversas crianças acusaram Elly Kedward de atraí-las para sua casa e retirar sangue delas e uma série de experimentos aterrorizantes. Elly é culpada por feitiçaria e banida do vilarejo durante um rigoroso inverno e tida como morta.



Os habitantes locais acreditavam que depois de abandonar Elly para morrer na floresta ela lançou uma terrível praga no local e amaldiçoou a todos os envolvidos nessa sua expulsão. O que causou um reboliço sem precedentes e uma histeria coletiva envolvendo o nome de Elly.

Entenda a cronologia da história:

Novembro de 1786: No meio do inverno, todos aqueles que acusaram Kedward e a metade das crianças da cidade desaparecem de Blair e juraram nunca mais mencionar o nome de Elly Kedward de novo.

Novembro de 1809: O livro da Bruxa de Blair é publicado como "Culto da Bruxa de Blair". Este livro raro, considerado ficção, chamou a atenção de uma cidade inteira amaldiçoada por uma Bruxa. 

A única cópia existente conhecida do "Culto da Bruxa de Blair" estava à mostra no museu da Sociedade histórica de Maryland em Baltimore em 1991.





1824 -  Burkittsville foi fundada no velho local de Blair - Burkitsville é localizada no município de Frederick em Maryland aproximadamente uma hora da capital Washington. Burkittsville foi fundada no local onde era a cidade de Blair.


Agosto de 1825 - Uma menina chamada Eileen Treacle com 10 anos de idiade morreu afogada no riacho Tappy East.

Onze testemunhas afirmam ter visto a mão de uma mulher pálida empurrar Eileen, de dez anos, para a Enseada de Tappy Creek. Seu corpo nunca foi encontrado e, durante 13 dias após o afogamento, a enseada fica obstruída com feixes de galhos oleosos.
Ilustração de Eileen Treacle sendo puxada pela "mão pálida".

Março de 1886 - 
Robin Weaver, de oito anos, é dado como desaparecido e logo surgem grupos de buscas. Weaver retorna, mas um dos grupos some. Os corpos são encontrados semanas depois no Rochedo Coffin, amarrados pelos braços e pernas e totalmente desentranhados.

Novembro de 1940 à Maio de 1941 - Começando por Emily Hollands, sete crianças são raptadas da área que cerca Burkittsville, Maryland.

As  sete crianças perdidas e executadas por Rustin Parr
25 de maio de 1941 - Um velho chamado Rustin Parr anda por um mercado local e conta às pessoas que ele está "finalmente acabado". Depois que a polícia faz a busca durante quatro horas até chegar em sua casa isolada na floresta, eles encontram os corpos das sete crianças perdidas. Na verdade foram 8 crianças sequestradas, apenas com uma sobrevivente.

Cada uma delas havia sido assassinada em ritual e desentranhada. Parr admite tudo em detalhes, contando às autoridades que ele fez isso para "um fantasma de uma velha" que ocupou a floresta perto de sua casa. O que deu mais um ponto de reforço as suspeitas da veracidade da maldição lançada por Elly.

O garoto que sobreviveu à série de sequestros, chamava-se Kyle Brody, e ele foi achado na varanda da cabana de Parr, pelos policiais de resgate.

Parr rapidamente é condenado e enforcado. Depois desse ocorrido o caso foi arquivado e silenciado pelo governo.

The Blair Witch Project ou A Bruxa de Blair

Resumo do projeto:
Três estudantes estão prontos para produzir um documentário sobre a fábula da Bruxa de Blair. Eles viajam para Burkittsville, Maryland (anteriormente Blair) e entrevistam os moradores sobre a lenda da Bruxa de Blair.

20 de outubro de 1994 - Alunos da Faculdade Montgomery, Heather Donahue, Joshua Leonard e Michael Williams chegam em Burkittsville para entrevistar seus habitantes sobre a lenda da Bruxa de Blair para um projeto de aula. 

Heather entrevista Mary Brown, uma mulher velha e praticamente insana que morou nessa área durante toda a sua vida. Mary afirma ter visto a Bruxa de Blair um dia perto da Enseada Creek na forma de uma fera peluda, meio-humana e meio-animal.

21 de outubro de 1994 - De manhã cedo, Heather entrevista dois pescadores que contam ao grupo de filmagem que o Rochedo Coffin fica a menos de 20 minutos da cidade e que é facilmente acessível por uma antiga trilha. Os jovens decidem entrar na Floresta Black Hills e nunca mais são vistos.



Heather Donahue, Joshua Leonard e Michael Williams
Após o desaparecimento:

25 de outubro de 1994 - O primeiro APB é emitido. O carro de Josh é encontrado no final do dia estacionado na estrada Black Rock.

26 de outubro de 1994 - A Polícia Estadual de Maryland faz uma busca na área de Black Hills, uma operação que dura dez dias e envolve 100 homens auxiliados por cães, helicópteros e a ajuda de um satélite do Departamento de Defesa.

3 de novembro de 1994 - A busca é interrompida após 33.000 homem-horas falharem em encontrar uma pista do grupo ou de seus equipamentos. A mãe de Heather, Angie Donahue, começa uma exaustiva busca pessoal para encontrar sua filha e seus dois colegas.


5 de novembro e 1994 Param as buscas por tempo indeterminado.

19 de junho de 1995 - O caso é declarado "sem solução".

16 de outubro de 1995 - Alunos do departamento de antropologia da Universidade de Maryland descobrem uma bolsa contendo filmes, fitas de vídeo, uma câmera de vídeo Hi-8, videocassetes, o diário de Heather e uma câmera CP-16 enterrados sob a fundação de uma cabana de 100 anos. 


Onze latas de filme 16mm dos estudantes foram descobertas oito meses depois do desaparecimento dos estudantes.

Lata 1 - "Na rua".
Lata 2 - "Passagem subterrânea dentro da floresta".
Lata 3 - "No cemitério".
Lata 4 - "Na trilha". 
Lata 5 - "Discussão sobre cigarro".
Lata 6 - "Pilhas de pedras na trilha".
Lata 7 - "Discussão em Coffin Rook".
Lata 8 - "Ossos na Trilha".
Lata 9 - "Levados a trilha novamente". 
Lata 10 - "Pilhas de ossos descobertas".
Lata 11 - "Confissão de Heather".

Quando a evidência é analizada, o Xerife de Burkittsville, Ron Cravens, anuncia que os 11 rolos de filme em preto e branco e os dez vídeos Hi-8 encontrados são de propriedade de Heather Donahue e sua equipe.


O filme encontrado dos últimos dias de seus filhos é devolvido às famílias de Heather Donahue, Joshua Leonard e Michael Williams. Angie Donahue contrata a Haxan Films para analisar o filme e montar os eventos de 20 a 28 de outubro de 1994.


Filmado em 16mm por Joshua Leonard e com som gravado por Michael Willians, Heather Donahue fez a narração do filme e as gravações por trás das cenas de video High-8, que documentam os crescentes dilemas e realizações desses cineastas durante seus dias de frustações e noites de terror.


Mãe de Heather coloca centenas de cartazes em Burkittsville.

2 de dezembro de 1995 - O caso é reaberto.

15 de dezembro de 1995 - Após um estudo inicial do conteúdo da bolsa, partes selecionadas do filme são mostradas às famílias. De acordo com Angie Donahue, há muitos eventos incomuns, mas nada conclusivo. As famílias questionam a análise e pedem para ver o material outra vez.

19 de fevereiro de 1996 - As famílias vêem um segundo grupo de imagens que os policiais locais consideram falsas. Revoltada, a Sra. Donahue faz sua crítica em público e o xerife Cravens restringe todo acesso às evidências.

1º de março de 1996 - O departamento do xerife anuncia que a evidência não é conclusiva e novamente o caso é declarado inativo e não solucionado. O filme será apresentado às famílias quando o prazo legal de classificação expirar, em 16 de outubro de 1997.


16 de outubro de 1997 - Angie leva pistas para Haxan Films. 

Janeiro de 2000 - Caso encerrado, estudantes nunca foram encontrados.



Nota importante:
Agora entenda, a lenda da "Bruxa de Blair", é real desde da sua origem em 1786, e todos os fatos ocorridos com a cidade de Blair e crianças no decorrer de décadas são reais. Porém o caso dos estudantes foi real, porém tudo se passava de uma armação dos diretores Daniel MyrickEduardo Sánchez.

Os 3 estudantes receberam aulas de como manusear uma câmera e então foram levados para ficar oito dias na floresta privados de sono e alimento com apenas uma bússola e sem saber mesmo onde estavam. 

A produção estava camuflada e escondida no meio da floresta. Tudo foi feito para que o filme parecesse mais real. De dia, entre os intervalos das filmagens, eram dadas ideias de falas improvisadas. 

Heather Donahue Montgomery
À noite, a produção os assustavam com ruídos, gritos, objetos de feitiçaria, bilhetes para semear discórdia e tudo o que pode ser visto no filme. Eles nunca sabiam o que iria acontecer e o que iriam encontrar, pois o documentário era real, falava de um assunto que talvez possa não existir, mas era real.

Porém a situação fugiu do controle e os diretores afirmam que muitos acontecimentos eles não causaram e também tiveram experiencias bem assustadoras na floresta.

Logo após o término do documentario, os estudantes foram declarados como mortos pelos diretores, que cadastraram os atores como "desaparecidos ou possivelmente mortos” antes da estréia do filme no site IMDB.

E sim os estudantes ficaram desapecidos por 4 anos e "voltaram dos mortos", após a divulgação de que o filme não se passava de uma "farsa". E claro que os diretores foram processados pelas familias e tiveram que doar uma parte dos US$ 140 milhões de lucro no filme.

O que não se sabe é se os estudantes estavam de acordo com as supostas mortes. O caso sempre foi abafado e nunca explicado.

Um ponto curioso é que no passar dos anos, as histórias foram mudando, e até boatos que o filme era real e que não podiam declarar publicamente por algum motivo.

Foi até criado um documentário exibido pela Discovery Channel dos Estados Unidos em 2004, entrevistando familiares dos desaparecidos. Nesse documentário iremos ver relatos e fatos históricos sobre misteriosos desaparecimentos que possam estar ligados a antiga lenda macabra. Assista aqui: https://www.youtube.com/watch?v=bfBRybu_qic

Uma sequência do filme foi feita, Bruxa de Blair 2: O Livro das Sombras mas não teve o mesmo sucesso que o primeiro. Um terceiro filme foi lançado em 2016, titulado Bruxa de Blair 3: O bosque mostrando James, em busca de sua irmã, Heather, que sumiu na floresta anos atrás enquanto fazia um documentário com mais dois amigos.

Bom uma coisa é certa, a lenda existe, a floresta existe, e os estudantes passaram por uma situação que nunca mais voltaram a falar do assunto.

Veja algumas fotos:

Telejornais noticiam o sumiço real dos 3 estudantes.
A confusa cena final do filme, que muita gente não entendeu. Nem o ator diz se lembrar de participar da cena.

A cidade existe mesmo e tem por volta de 200 moradores.
Heather Donahue Montgomery, Joshua Leonard e Michael Williams vivinhos da silva no ano de 2012.

Os estudantes estão vivos nos dias de hoje. (2019).


Tire suas conclusões.

Comentários

Anônimo disse…
Interessante ,desconhecia essa historia
Heliana Staut disse…

O caso dos três jovens é verdadeiro ou ficção? Os três jovens que desapareceram é real no sentido de terem nomes diferentes, e que foram representados por esses três atores?

Todos os casos anteriores relatados são verdadeiros

Que mais informações você pode nos trazer sobre a história da bruxa de Blair?

Postagens mais visitadas deste blog

História do Batman

Batman  é um  personagem fictício , um super-herói da  banda desenhada  americana publicada pela  DC Comics . O herói mascarado criado pelo cartunista Bob Kane tornou-se, ao longo de seus 80 anos, um ícone da cultura pop, ultrapassando as páginas das histórias em quadrinhos.  Estimulada pelo sucesso do Superman, publicado na revista Action Comics , a National Publications ( editora que se tornou hoje a DC Comics ) contratou Kane para criar um novo herói, cujo visual se baseou nos desenhos de Leonardo Da Vinci que mostrava um homem voando com asas. Com a colaboração do escritor Bill Finger, que lapidou o visual e as ideias apresentadas, Batman chegou às páginas de “Detective Comics” #27 (Maio de 1939). A duplicidade de Bruce Wayne, um aristocrata que leva vida dupla para punir os criminosos, era uma óbvia referência ao “Zorro” de Johnston McCaulley . A inspiração para Batman ainda incluía o aspecto soturno e violento do Sombra (de Walter Gibson) com o qual Batman estimula

Hatshepsut, a Primeira Faraó Mulher do Egito

Nascida em Tebas, capital do Egito durante o Império Novo, Hatshepsut foi a filha mais velha do rei Tutmés I e da rainha Amósis , e viveu durante a XVIII dinastia egípcia.  Após a morte do seu pai, Hatshepsut casou-se com seu meio irmão e herdeiro do trono, Tutmés II , seguindo um costume que existia no Antigo Egito onde membros da família real se casavam entre si.  Com a morte de Tutmés II, o único herdeiro homem erá o filho dele com uma concubina, porém por ser apenas uma criança ele não pôde assumir o poder. Hatshepsut assumiu o poder e no começo de seu reinado não exigiu as regalias reservadas aos faraós, que eram governantes e sacerdotes da religião local. Aos poucos foi testando seu poder, para ver até onde iam os limites impostos pela sociedade egípcia às mulheres, pois almejava o posto de faraó. Hatshepsut, então declara publicamente ser filha do deus Amon-Rá, que se apresentara à sua mãe como Tutmés I.  Nos templos de Deir el-Bahari e de Amon-Rá ela consolidou seu

Tutankamon - A múmia mais famosa

Tutankamon, também conhecido como o “Faraó Menino” , nasceu em 1341 a.C e morreu em 1323 a.C. Foi faraó do Egito Antigo entre os anos de  1332–1323 a.C. na cronologia egípcia . Era filho do faraó Akhenaton c om alguma irmã do próprio  Akhenaton   ou possivelmente uma de suas primas. Ele subiu ao trono com a idade de nove ou dez anos.  Sua  ama de leite  foi uma mulher chamada Maia, segundo conta em seu túmulo em  Sacará  . Seu professor foi Sennedjem. O nome  Tutankamon siginifica  "Imagem viva de Amom" , reforçando a restauração de Amom. Tutankamon  era magro e tinha quase 1,67 cm de altura.  Ele tinha grandes incisos frontais e a arcada dentária superior projetada para frente, característica da linhagem real  Tuteméses  à qual pertencia. Ainda existem muitas dúvidas sobre a vida de Tutankamon. Foi o último faraó da 18º dinastia. Durante seu curto período de governo, levou a capital do Egito para Memphis e retomou o politeísmo, que havia sido abandonado pelo pai

Horror em Amityville – A História real

Em Junho de 1965, o Sr. Ronald DeFeo adquiriu a casa nº 112 na rua Ocean Avenue. Era uma casa linda, com uma arquitetura ao estilo Holandês, bastante espaçosa e com uma casa de barcos, um anexo com ligação ao rio. "Parecia o Sonho Americano: uma casa de sonho, família feliz e muito dinheiro para gastar." Os DeFeo até colocaram uma tableta em frente á sua casa onde se podia ler  ”Grandes Esperanças” , como que um símbolo da fortuna da família. Mas havia um lado negro escondido na família, o filho mais velho do casal,  Ronald "Butch" Júnior , consumia drogas e praticava pequenos roubos, o que levava a frequentes e violentas discussões com o seu pai. A familia Defeo. No dia  13 de Novembro de 1974  enquanto toda a família dormia nos seus quartos, Ronald "Butch" Júnior estava a ver televisão no segundo piso, quando se levantou e pegou na sua carabina (Marlin Rifle .35).  Dirigiu-se primeiro ao quarto de seus pais e disparou dois tiros contra

Suástica gravada na estátua de Buda, na Coréia.

A imagem da cruz suástica é um dos amuletos mais antigos e universais do mundo, sendo utilizada desde o Período Neolítico. Foi adotada em diversas culturas, sem qualquer interferência umas co m as outras. Especulou-se até que a difusão da suástica entre diversas culturas mundiais (Índia, África, América do Norte e do Sul, Ásia e Europa) apontava para uma origem comum, possivelmente da lendária Atlântida. As primeiras formas similares à suástica estão conservadas em vasos cerâmicos datados de cerca de 4000 a.C., em antigas inscrições europeias, e como parte da escrita encontrada na região do Indo, de cerca de 3000 a.C., a qual religiões posteriores (hinduísmo e budismo) passaram a usar como um de seus símbolos. Na Antiguidade, a suástica foi usada largamente pelos indo-arianos, hititas, celtas e gregos, dentre outros. Ela ocorre em outras culturas asiáticas, europeias, africanas e indígenas americanas, na maioria das vezes como elemento decorativo, eventualmente como símbolo religi

O Misterioso Lago Ness

O  lago Ness  ( Loch Ness ) é um  lago  de água doce localizado em  Highland  na  Escócia , de forma estreita e alongada com cerca de 37 quilómetros de comprimento. O lago ocupa uma área de cerca de 56,4 km² e tem uma profundidade máxima de 226 metros.  A visibilidade da água é extremamente reduzida devido ao teor de  turfa  dos solos circundantes, que é trazida para o lago através das redes de drenagem. Pensa-se que o lago Ness tenha sido modelado pelos  glaciares   da última  era glacial . A torre do Castelo de Urquhart, com o Lago Ness ao fundo. O  monstro do lago Ness: Também conhecido por  Nessie , é um  criptídeo aquático que alegadamente foi visto no  Lago Ness, nas  Terras Altas  da  Escócia , no  Reino Unido . A sua existência (ou não) continua a suscitar debate entre os  cépticos  e os crentes, e é um dos mistérios da  criptozoologia .   Rumores acerca de uma criatura estranha em Loch Ness existem há pelo menos 1595 anos . O primeiro registro escrito aparece na  Vid

Tigre da Tasmânia ou Lobo da Tasmânia

      O Tigre da Tasmânia ou Lobo da Tasmânia ou Tilacino era um marsupial carnívoro que foi extinto há 67 anos atrás, viveu na Tasmânia, próximo a Austrália, no atual Holoceno, era do tamanho de um "grande cachorro" com uma "cabeça de raposa" e a partir do meio do corpo até a cauda apresentava listras iguais às dos tigres, sendo os machos pouco maiores que as fêmeas, estas as quais possuíam uma bolsa, que é característica dos marsupiais.   O Tigre da Tasmânia era um caçador solitário, caçando às vezes em pares, seu método era escolher um animal, como um pequeno canguru e então segui-lo até cansá-lo, pulando então sobre ele e matando-o com suas fortes maxilas, as quais podiam atingir uma abertura angular de maxilares de 120 graus. O Tigre da Tasmânia ganhou fama de assassino de gado e ovelhas, fato este que nunca foi comprovado, mas por causa desta fama tanto os criadores de ovelhas como o próprio governo ofereciam uma boa recompensa em dinheiro pela sua

Annabelle, a verdadeira história da boneca do mal

O ano era 1970, a jovem Donna era uma estudante universitária que estava quase concluindo seu curso em enfermagem. Ela dividia um minúsculo apartamento com Angie , uma outra estudante do mesmo curso, em uma outra cidade.  Donna era apaixonada por bonecas e, pensando nisso, sua mãe foi até uma Hobby Store (loja especializada em bonecas para colecionadores) e presenteou a filha com uma Raggedy Ann em seu aniversário. Feliz com seu novo presente, a jovem deixo-o sobre sua cama, como uma decoração e recordação de sua mãe, que estava longe dela nesse momento. Até então, tudo normal, nada de ruim foi relatado, mas a situação mudou alguns dias depois. Donna e Angie começaram a perceber que algo estranho estava acontecendo. A boneca sumia de um lugar e aparecia em outro, mudavam de posição, de cômodo, como se estivesse se movendo sozinha. Algumas vezes ela aparecia sentada no sofá, com as pernas e braços cruzados, em outros momentos ela estava em pé sobre a cadeira da cozinha. Quando Donn

A Tumba do Imperador Qin Shi Huang

A descoberta dos primeiros guerreiros e cavalos aconteceu por acaso, em 1972, quando um camponês cavava um poço para obter água e se deparou com algumas estátuas. As figuras encontradas nas escavações foram esculpidas à mão pelos artesãos em tamanho real e estão em rígida formação militar. O mausoléu conta com 400 tumbas, além de 7 mil estátuas de guerreiros e cavalos, e 100 carros de combate. O numeroso exército, porém, com um total estimado em 8 mil peças, na verdade ocupa apenas uma fração do complexo de sepulturas, ainda em grande parte não escavado, que se estende por 56 quilômetros quadrados e cuja construção teria exigido uma força de trabalho de cerca de 700 mil pessoas. Os chineses acreditavam na vida após a morte, e o exército foi criado para acompanhar o Imperador Qin em sua suposta vida além-túmulo. Quando foi descoberto, o exército estava disposto em formação completa de batalha, e incluía a linha de infantaria, arqueiros ajoelhados e carroças com seus cavalos e c