quarta-feira, 12 de julho de 2017

Antigo fóssil pode provar a existência de vida extraterrestre

Um grupo de cientistas da Universidade de Wollongong, na Austrália, encontrou, no sudoeste da Groelândia - em uma região que até pouco tempo estava completamente coberta de neve - um fóssil microbiano que possui 3,7 bilhões de anos de idade – 220 milhões de anos a mais que o fóssil mais antigo de que se tinha conhecimento até hoje. 


A amostra estava conservada em rochas metamórficas no chamado cinturão supracortical de Isua, uma formação rochosa originada em uma época em que a Terra era constantemente bombardeada por asteroides e ainda se encontrava em fase de formação. 

A descoberta, além de fornecer dados revolucionários sobre a história da vida no planeta, abre novas possibilidades em matéria de exploração espacial. Os cientistas afirmam que se foi possível surgir a vida na Terra em um período marcado por temperaturas altíssimas e instabilidade geológica profunda, ela também poderia ser encontrada em planetas e asteroides que, até o momento, eram considerados inóspitos, como Vênus ou as luas de Júpiter. 


Fonte: ABC
Imagem: Allen P. Nutman/Universidade de Wollongong

Nenhum comentário:

Postagens mais acessadas